Carro: você precisa mesmo ter um?

Ter um carro é o sonho de muita gente, mas já parou para pensar qual é a sua motivação para comprar um? Em geral, as pessoas expressam diferentes razões quando são convidadas a explicar a decisão de adquirir um automóvel.

Veja se você se identifica com alguma delas:

1 – “Preciso me deslocar várias vezes ao dia para trabalhar”
2 – “Não há transporte coletivo de qualidade perto do meu trabalho”
3 – “Quero ter facilidade para sair nos finais de semana”
4 – “É mais confortável, principalmente, para quem tem filhos”
5 – “O carro dá mais liberdade para ir onde quiser, quando quiser”

Qualquer que seja a sua motivação, antes de fazer o investimento, é importante identificar se há alternativas mais favoráveis para o seu bolso. E, principalmente, se essa é a prioridade para você e sua família, considerando o que você planeja para o futuro.

Além do aspecto financeiro, que é relevante, automóveis têm um custo ambiental. Emitem gases de efeito estufa que contribuem para o aquecimento global do planeta e outros poluentes prejudiciais à saúde e à qualidade de vida.

Um bom jeito de dimensionar o quanto o automóvel vai custar para você é estimando a quantidade de dias que você precisa trabalhar para pagar o veículo e as despesas que ele gera. Para fazer as contas, divida o valor de seu salário líquido, que você efetivamente recebe, por 20 (número de dias trabalhados). Se ganha R$ 3.000,00 líquido, sua renda diária é de R$ 150,00.

Se você comprar um carro de R$ 35 mil, dando uma entrada e assumindo prestações de R$ 500,00 por mês, sua despesa com o veículo será de R$ 43,56 por dia. Ou seja, você irá trabalhar quase um terço do mês para bancar o carro. Vale a pena?

Lembre-se: Mesmo parado na garagem, o carro precisa de manutenção, está tão sujeito a problemas quanto um carro que você usa regularmente e custa quase o mesmo.

Fonte: Meu Bolso em Dia